Arquivo da tag: PIB

Fiesp: PIB da construção civil tem queda real de 2,7% no 1º trimestre

O Produto Interno Bruto (PIB) da cadeia da construção civil registrou queda real de 2,7% no primeiro trimestre deste ano.

Na comparação com o mesmo período de 2014, segundo levantamento feito pelo Departamento da Indústria da Construção (Deconcic) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp). O estudo mostra estimativas do investimento em obras, do PIB e do emprego na cadeia produtiva no primeiro trimestre de 2015.

Segundo o levantamento, o setor ocupou 13,5% de toda a força de trabalho do País e movimentou R$ 253,3 bilhões nos três primeiros meses deste ano. O estudo mostrou, no entanto, que o primeiro trimestre de 2015 registrou perda de 431 mil postos de trabalho. Construção informal e construtoras foram os principais segmentos que colaboraram com a queda.

A indústria de materiais e as construtoras, que juntas detinham 51,4% do PIB setorial, foram as que mais contribuíram para a retração, com queda de 8,1% e 4,5%, respectivamente.

Para Carlos Eduardo Auricchio, diretor-titular do Deconcic, o segundo semestre deve mostrar resultados piores e pode atingir também os setores de comércio e serviços. Entre os fatores negativos dos primeiros três meses do ano, o executivo citou a falta de investimentos em obras, os juros elevados, a inflação alta e o atraso nos pagamentos do governo às construtoras.

parana-online.com.br

Vagas na construção civil crescem 131% em dez anos

Em 10 anos a indústria da construção do Grande ABC ampliou o quadro de funcionários em 131%. Em 2003, 19.177 trabalhadores atuavam no setor. No ano passado, este número passou para 44.378.

Durante o período, a economia do País proporcionou estabilidade financeira para as famílias, para aproveitar o cenário os bancos ampliaram a oferta de crédito habitacional e como consequência as construtoras direcionaram seu foco para a região.

Conforme explica a diretora-adjunta da regional do SindusCon-SP (Sindicato da Indústria da Construção do Estado de São Paulo) no Grande ABC, Rosana Carnevalli, a região também passou a ter grande oferta no período por causa dos baixos preços dos terrenos e pela infraestrutura das cidades.

“Nesses dez anos, o Grande ABC começou a ser visto como uma localização estratégica, pelo acesso através do Rodoanel. Além disso, houve mudança do plano diretor no centro de São Paulo, o que incentivou as incorporadas virem para cá, já que havia maior oferta de terrenos com coeficiente (quantidade de área construída permitida por metro quadrado de terreno)”, disse.

Conforme analisou o gerente de pesquisa da Fundação Seade, Alexandre Loloian, o momento econômico também favoreceu a expansão da oferta de emprego. “Com o aumento do poder de compra das famílias e as facilidades do financiamento da Caixa Econômica Federal, o setor cresceu bastante.”

Apesar do aumento comparado em dez anos, o setor começou a mudar a curva de crescimento do empregos de 2010 para 2011, passando de 48.104 vagas a 47.915.

Para Loloian, foi quando os problemas de oferta de crédito começaram a impactar no número. “Hoje há problemas de endividamento das famílias e também nos juros do financiamento. Resumindo, se não há oferta de crédito e poder de compra, não há crescimento nas vagas de emprego do setor”, explicou.

ROTATIVIDADE

Segundo dados da PED (Pesquisa de Emprego e Desemprego) do Grande ABC, da Fundação Seade, divulgado em janeiro deste ano, os trabalhadores da área representam 5% do total da população ocupada da região.

Conforme Loloian, pela construção de empreendimentos, o setor acaba tendo grande rotatividade. “É um dos setores que sempre foi caracterizado por isso. Porém, também houveram muitas melhoras em relação a formalização, já que houve aumento do emprego com carteira assinada. A questão do rendimento também, quando há comparação com alguns anos atrás, se pagava muito pouco. Hoje fica bem próximo do que é pago pelo comércio.”

PROJEÇÃO

Para Rosana, a expectativa é de que o setor cresça em torno de 2% neste ano em relação a vaga de empregos. “Acredito que esse seja mais ou menos o crescimento do PIB (Produto Interno Bruto), já que não estamos em momento econômico tão propício e tudo acaba passando pela construção civil. As coisas estão caminhando lentamente em relação a investimentos, mas enquanto a região tiver demanda, acredito que haverão construções.”

Já Loloian é mais otimista, mas pondera alguns fatores necessários. “É uma questao de conciliação entre o preço cobrado, o custo do preço cobrado e condições de financiamento para a demanda da população.”

fonte: dgabc.com.br

 

Governo espera recuperar fôlego do PIB com setor de construção civil

Segmento entra duas vezes no cálculo das riquezas do país e por isso técnicos do Ministério da Fazenda acreditam que impulsioná-lo pode ser determinante para que o país alcance taxas de crescimento mais robustas
Com receio de que a economia patine novamente em 2013, o governo vai apostar suas fichas no setor de construção civil para impulsionar o Produto Interno Bruto (PIB) e não repetir o resultado frustrante do ano passado, uma expansão de apenas 0,9%.
Como o segmento entra duas vezes no cálculo das riquezas do país — na indústria e nos investimentos —, técnicos do Ministério da Fazenda acreditam que impulsionar o segmento pode ser determinante para que o país alcance taxas de crescimento mais robustas no decorrer deste ano.
Para isso, em 28 de dezembro, o Executivo publicou a Medida Provisória 601, que desonera e dá outros benefícios às empresas do ramo. Mas os incentivos começam a ter efeito a partir de abril.
Para o governo, a construção civil se tornou tão importante que, durante 2012, a equipe econômica turbinou a concessão de crédito imobiliário por meio dos bancos públicos, reduziu os juros e tentou dar agilidade aos programas sociais que envolvem o sonho da casa própria.