Sesi conscientiza operários sobre segurança com o Arte no Canteiro

Os operários do canteiro de obras da MRV Engenharia foram os primeiros beneficiados com o Projeto

Pelo menos 490 operários do canteiro de obras da MRV Engenharia no Bairro Pioneiros, em Campo Grande (MS), receberam, neste sábado (01), informações importantes sobre segurança no trabalho e redução do desperdício de materiais de construção durante o lançamento do Projeto Arte no Canteiro, desenvolvido pelo Sesi e que tem como meta atender mais de 8 mil trabalhadores em todo o Estado com mais de 80 apresentações teatrais do Grupo XPTO, de São Paulo (SP). Na prática, o Projeto busca sensibilizar os trabalhadores das indústrias da construção civil por meio de apresentações teatrais nos canteiros, destacando a prevenção aos acidentes de trabalho, o combate ao alcoolismo, o uso racional da água e de energia elétrica e a limpeza dos canteiros de obras.

Segundo o superintendente do Sesi, Michael Gorski, por meio das apresentações, será possível conscientizar os trabalhadores sobre o uso de equipamentos de segurança e assim contribuir com a redução do alto índice de acidentes de trabalho na construção civil do Estado. “A nossa intenção, em parceria com o TRT/MS (Tribunal Regional do Trabalho de Mato Grosso do Sul), é levar o Arte no Canteiro ao maior número possível de obras, pois a linguagem utilizada pelos artistas para conscientizar os operários é de fácil assimilação e, muitas vezes, dá mais resultado que as palestras sobre segurança no trabalho disponibilizadas pelas construtoras”, pontuou.
Já o desembargador do trabalho Francisco das Chagas Lima Filho, que assume a presidência do TRT/MS na próxima semana, ressaltou que o Arte no Canteiro vem para somar à campanha de trabalho seguro desenvolvida pela Justiça do Trabalho em todo o País. “Com essa contribuição do Sistema Fiems, por meio do Sesi, esperamos conseguir substituir a cultura da indenização pela cultura da prevenção aos acidentes de trabalho. Nós, da Justiça do Trabalho, entendemos que, somente dessa forma, estaremos contribuindo para salvar e preservar as vidas dos trabalhadores da construção civil”, declarou.
O presidente do Sinduscon/MS (Sindicato Intermunicipal da Indústria da Construção Civil de Mato Grosso do Sul), Amarildo Miranda Melo, reforçou que o Projeto ensina de forma lúdica um assunto de extrema importância para os trabalhadores da construção: o uso dos equipamentos individuais de segurança. “As empresas de construção civil já desenvolvem ações de conscientização dos seus trabalhadores, mas, todo e qualquer trabalho nesse sentido, é bem-vindo. Com a redução dos índices de acidentes de trabalho no segmento, todos ganham, desde e o trabalhador e seus familiares até as empresas e o própria saúde pública”, ponderou.
Assim também pensa o presidente do Sintracom/MS (Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção Civil do Estado), José Abelha Neto. “Essa iniciativa do Sesi é espetacular, pois ajuda a conscientizar os trabalhadores de uma forma bem agradável”, disse. Na opinião do supervisor de obras da MRV, Leonardo da Costa, toda e qualquer ação que visa a conscientização dos operários na questão de segurança no trabalho é bem recebida pela empresa. “Essas apresentações ajudaram a direcionar os nossos trabalhadores para o caminho certo a ser seguido”, disse.
Operários
Com uma estrutura diferenciada, que inclui palco montado com andaimes e guindaste de construção, o Projeto conseguiu atingir, na sua primeira apresentação, o objetivo de educar e conscientizar os trabalhadores de uma forma lúdica e descontraída. Na avaliação do operário João da Silva, 60 anos, os personagens e a forma como os atores falaram do uso dos equipamentos de proteção individuais ajudou a sensibilizar os colegas. “Foi muito interessante essa apresentação. Muitas das coisas que eles falaram a gente já sabia, mas não dava muita atenção. Agora, acho que isso vai mudar”, garantiu.
O operário Raimundo Barbosa Costa, 53 anos, acrescenta que os colegas que têm uma certa resistência em utilizar capacetes, botas e luvas vão pensar duas vezes antes de recusarem os equipamentos de proteção. “É muito importante esse trabalho, pois tem muita gente que usa com o maior sacrifício”, ressaltou. O operário Jonathan Atagiba da Costa, 25 anos, também gostou da iniciativa do Sesi e considerou que a apresentação ajudou bastante na conscientização de todos. “Muitos tiveram a chance de perceber que acidentes graves não acontecem só na rua, dentro do canteiro de obras também estamos correndo risco e devemos tomar muito cuidado”, alertou.
A produtora cultural do Arte no Canteiro em Mato Grosso do Sul, Andréia Freire, ressaltou que o Projeto vai chegar a todos os canteiros de obras do Estado e assim contribuir para reduzir o número de acidentes de trabalho. “É a arte levando noção de saúde e segurança do trabalho até os operários da construção civil. É a arte como instrumento transformador da vida das pessoas”, avaliou, acrescentando que o uso de guindastes para transportar os atores suspensos por cabos de aço encanta a plateia. “Além disso, as apresentações têm uma linguagem musical para elucidar as orientações sobre o uso de equipamentos de segurança”, detalhou.
Com duração de 40 minutos, a apresentação conta ainda com equipamentos de trabalho que ganham vida e se tornam os personagens da história. A peça apresenta três personagens principais: a “Pedrita Brito”, a “Pá Tricia” e o “Carrinho”. Outros personagens também fazem parte da encenação, como as luvas, os capacetes, as botas, os óculos de proteção, os cintos de segurança, as furadeiras, as britadeiras, as pás, os caixotes e os tonéis.
Fonte: acritica.net