Qualificação técnica vira ‘atalho’ para os novos profissionais

Existe diferença salarial entre o jovem formado em Nível Técnico e o com o Superior, de acordo com Samuel Pinheiro, diretor da escola técnica de Petróleo e Gás, Petrocenter.

No setor de Petróleo e Gás, o ganho médio de um funcionário com formação Técnica pode ser de aproximadamente R$ 3 mil. Já o de Superior, a partir de R$ 8 mil, como engenheiro. Apesar da diferença salarial, o volume de contratações dos profissionais do Ensino Técnico é maior, destaca Pinheiro.

Para o presidente da Fundação de Apoio à Escola Técnica (Faetec), o professor Celso Pansera, o Brasil descobriu uma grande demanda de mão de obra técnica, e com isso os profissionais são rapidamente absorvidos pelo mercado de trabalho. A dica dele é que o jovem use o Ensino Técnico como “atalho” para a profissão que vai seguir.

Segundo Pansera, as profissões de Ensino Superior ainda oferecem boa remuneração, mas a graduação exige um tempo maior. O desafio é fazer os jovens conhecerem as oportunidades do Ensino Técnico, que profissionaliza em menos tempo. “O Técnico é a porta de entrada da universidade. Com a vida mais estabilizada, por meio do salário de técnico, o jovem pode correr atrás do sonho de ingressar na universidade”, sugere.

É comum, ao sair da formação Técnica, se deparar com oportunidades de empregos. Algumas instituições até encaminham, afirma o profissional da Petrocenter. “O técnico atende a profissões específicas, encaminhando diretamente para o mercado de trabalho. É uma ótima escolha, pois atende à indústria”, diz.

Caminhos profissionais da formação

Afinal, quais são as profissões que mais contratam a mão de obra técnica? De acordo com o presidente da Fundação de Apoio à Escola Técnica (Faetec), o professor Celso Pansera, são: Turismo, Construção Civil, Petróleo e Gás, Segurança e Saúde.

“Atualmente, as profissões técnicas de maior destaque são o Técnico em Edificações, da área de Construção Civil, o Técnico em Segurança do Trabalho, da área de Segurança, e o Técnico em Enfermagem, da área de Saúde. O mercado dessas três profissões está muito aquecido”.

Ele acrescenta: “Área de Turismo, Hospitalidade e Lazer também recebe bem os técnicos. Outro curso que tem apontado boa procura é o Técnico em Petróleo e Gás”.

Segundo Samuel Pinheiro, da Petrocenter, a formação Técnica atinge novos mercados: “Nessa formação, há especialização em segmentos em expansão”.

Logo, os próximos anos podem ser decisivos para quem quer descobrir novos caminhos para essa formação.

Pansera confirma que essa é a tendência, uma vez que existe a necessidade por pessoal qualificado em Ensino Técnico. “É claro que não podemos descartar o Ensino Superior, mas o caminho é criar mais oportunidades para suprir a demanda de mão de obra técnica”, explica.

Fonte: odia.ig.com.br