Conpresp tomba parte do aeroporto de Congonhas, em São Paulo

Pavilhão das Autoridades, terminal de embarque e desembarque e estrutura de metal em arco triarticulado do hangar agora são protegidos pelo patrimônio histórico

Divulgação: Infraero

Saguão do aeroporto de Congonhas

Parte do aeroporto de Congonhas, em São Paulo, foi tombado pelo Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo (Conpresp), após mais de sete anos em processo de tombamento. O aeroporto foi inaugurado em 1955, com projeto do arquiteto Hernani de Val Penteado, que combinou elementos art déco e de arquitetura moderna no núcleo original do prédio.

Ficam protegidos a partir de agora o Pavilhão das Autoridades, terminal de embarque e desembarque de passageiros e estrutura de metal em arco triarticulado do hangar. Além disso, o conselho também estabeleceu área envoltória interna e externa ao aeroporto.

No Pavilhão das Autoridades ficam preservados itens de decoração como um conjunto de espelhos decorados do Salão Nobre de autoria do arquiteto francês Jacques Monet, um painel de autoria atribuída a Di Cavalcanti e Clóvis Graciano, com dimensão de 3,5 m de altura por 16 m de extensão, entre outros itens.

Já no terminal de embarque e desembarque, deverão ser preservadas as características externas das fachadas da edificação voltadas para a Avenida Washington Luís e os espaços internos e elementos arquitetônicos e artísticos do saguão central, antigo salão de dança e restaurante, alas norte e sul, obras artísticas, entre elas, o Mapa Mundi criado por Hernani do Val Penteado e Raymond A Jehlen, um busto de Santos Dumont, entre outras obras. Com relação à estrutura de madeira do hangar, a preservação é integral.

Congonhas recebe 16 milhões de passageiros por ano e é o segundo aeroporto mais movimentado do País, atrás apenas de Cumbica, em Guarulhos.

Fonte: PINIweb.com.br