Arquivos da categoria: Tecnologia

Monoforte substitui a alvenaria tradicional na construção civil

Consolidando seu compromisso com a tecnologia e o respeito ao meio ambiente, a Termotécnica se fortalece no segmento da Construção Civil a partir do Sistema Construtivo Monoforte.
Painéis monolíticos de EPS (isopor®) integrados a malhas de aço galvanizado substituem a alvenaria estrutural ou alvenaria de vedação. Inovador, seguro e ecoeficiente, o Sistema Construtivo Monoforte é indicado para todos os tipos de edificações, como residências, escritórios e indústrias.
As tubulações de hidráulica, esgoto e elétrica são instaladas entre os painéis e a tela metálica, resultando em um sistema resistente rápido e econômico.
Relatórios técnicos comprovam a eficácia desta solução, que já é muito utilizada na construção civil em diversos países.

Diferencial
Contribuindo para a valorização do empreendimento e a otimização do processo construtivo, a utilização do Sistema Construtivo Monoforte favorece o isolamento térmico e acústico, além de reduzir em cerca de 40% o tempo de execução e da mão-de-obra necessária.
Ao utilizar o Monoforte, há uma redução de 15 a 20% no valor do m² construído na alvenaria convencional e a facilidade se estende ao transporte do material, que é leve e compacto.

Edifício Verde
O EPS é um material 100% reciclável e reutilizável. As obras se tornam ainda mais ecoeficientes a partir do menor consumo de energia e da redução em 75% do volume de água utilizado.

Vantagens em números
– Redução de 15 a 20% no preço do m² (em relação à alvenaria convencional)
– Mais de 80%de redução de resíduo da obra
– Economia de 75% no consumo de água da obra
– Ganho de produtividade em até 40% no tempo total de obra
– Material retardante à chama
– Não prolifera cupins e fungos
– Facilidade para fixar as tubulações
– Facilidade de transporte do material
– Material 100% reciclável

O Monoforte pode ser adquirido através dos seguintes canais:
termodirect@termotecnica.com.br
Telefone: (47) 3451-2626

Sobre a Termotécnica
A Termotécnica é considerada uma das maiores indústrias mundiais de transformação de EPS (isopor®) e líder no mercado brasileiro deste segmento. Produz soluções para Construção Civil, Embalagens e Peças Técnicas, Conservação, Agronegócios e Movimentação de Cargas.
Aos 53 anos, sua trajetória é marcada pelo empreendedorismo e desenvolvimento tecnológico. Também pelo forte vínculo com a sustentabilidade e a proteção ao meio ambiente, com ações em todo o processo produtivo, como a logística reversa e a reciclagem.

fonte: pautas.incorporativa.com.br

Avaliação de conformidade para materiais de construção está em vigor

Inmetro alterou os critérios da certificação voluntária para telhas e blocos cerâmicos

Já estão em vigor os “Requisitos da Avaliação de Conformidade (RAC) para Materiais e Equipamentos da Construção Civil”. A Portaria de Nº 658 foi aprovada pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) no final de dezembro e publicada no Diário Oficial da União no mesmo mês.

Foram alteradas e atualizadas as certificações voluntárias para blocos cerâmicos para alvenaria estrutural e de vedação e telhas cerâmicas. Também foram criadas certificações para tijolos maciços cerâmicos para alvenaria e telhas de concreto. As medidas foram tomadas visando prevenir acidentes, assim como aumentar a durabilidade e o desempenho das construções.

O RAC estabelece três modelos de certificação distintos, sendo responsabilidade do fornecedor optar por um deles. São eles: Ensaio de lote; ensaio de tipo, seguido de verificação através de ensaios em amostras retiradas no comércio, exclusivo para micro e pequenas empresas; e ensaio de tipo, avaliação e aprovação do Sistema de Gestão de Qualidade do processo produtivo.

Fonte: piniweb.com.br

Franquia é opção para resolver gargalos na construção civil

Os sócios Miguel Pierre e Sidney Bezerra atuavam há 10 anos no ramo de educação, quando tiveram dificuldades para achar profissionais do ramo da construção em Taguatinga, no Distrito Federal. Assim, surgiu a ideia de aliar a expertise na educação com a construção civil, criando a Concretta – rede de franquias de cursos profissionalizantes na área

Miguel Pierre e Sidney Bezerra trabalhavam há 10 anos no ramo de educação, nas áreas da saúde e informática, quando tiveram dificuldades para achar profissionais do ramo para a construção de escola da saúde em Taguatinga, no Distrito Federal. Desse modo, surgiu a ideia de aliar a expertise na educação com a construção civil, criando a Concretta – rede de franquias de cursos profissionalizantes na área.

Formado em Administração de Empresas, Miguel conta que foram contratadas duas consultorias para fazer pesquisas de mercado em 209 municípios. O resultado indicou que a escassez de mão de obra está espalhada por todo o Brasil, como explica Sidney Bezerra, formado em Engenharia Elétrica e um dos sócios da Concretta. “Tanto a iniciativa pública como a privada têm gerado umboom no setor”.

Cursos 
Ao todo são sete cursos – Pedreiro Revestidor, Instalações Elétricas, Instalações Hidráulicas, Instalador de Painéis Cartonados (dry wall), Pintor Predial/Residencial, Armador Civil e Carpinteiro. Nas aulas, o profissional aprende também como se portar em uma visita, como falar, quais roupas usar, a importância da organização em uma lista adequada de orçamento, entre outros.

As aulas podem ser aplicadas na própria escola ou in loco e são divididas entre práticas e teóricas, ministradas por um profissional do ramo contratado pelo franqueado. “Na maioria das vezes, o profissional não tem experiência com aulas. Por isso, a Concretta oferece um cursinho de oito horas para ensiná-lo a transferir oknow-how“, conta Miguel.

O investimento é padrão – 12 parcelas de R$ 149 – e tem a duração de 9 meses. ¿É um curso para que esse tipo de profissional que trabalha bastante não fique sobrecarregado¿, conta Sidney. As construtoras também podem fechar contratos e negociar a duração do curso, além da facilidade de terem aulas no canteiro de obras. “A qualidade é idêntica. O que muda é o lugar e se é intensivo ou não”, explica Sidney.

Modelo e expectativa
Para tornar possível a capilarização pelo País, os sócios optaram por áreas pequenas, de 100 m² a 150m² e também firmaram parcerias com grandes marcas, como Tigre, Deca e Lorenzetti. As marcas subsidiam e chancelam o material didático. Sidney afirma que a inovação não será deixada de lado. “Serão lançados novos cursos de acordo com a necessidade do mercado.”

Hoje, a Concretta conta com 550 alunos na escola-piloto, que fica em Brasília, e que também funciona como centro de treinamento para o franqueado. Para Sidney, o local é estratégico. “O escritório fica em Brasília, pois a capital funciona como um hub“, diz.

A previsão de faturamento neste primeiro ano de vida da franquia é de R$ 6 milhões, subindo para R$ 35 milhões em 2013. A previsão é de que 2012 encerre com 30 franquias ao todo. Para o próximo ano, essa projeção sobe para 100 unidades.

Os sócios se mostram confiantes. “É o momento certo. A demanda está muito forte e pode perdurar por pelo menos 10 anos, porque o Brasil não tem nada. O básico, como rodovias e aeroportos, estão começando a sair do papel. Projetos governamentais como o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), Minha Casa Minha Vida, estádios entre outros, precisam da iniciativa privada para cobrir a lacuna de qualificação e suprir a demanda”, avalia.

Franqueado
Os interessados devem entrar no site da franquia e preencher a ficha que será enviada para o departamento de expansão – que avalia o perfil do possível franqueado. Se for aprovado pelo escritório em Brasília, o setor de operações irá buscar o ponto ideal, ajudará na formatação do ponto, indicará fornecedores e oferecerá treinamento, que dura de cinco a sete dias.

O franqueado Vilson Martins, de Salvador, era executivo quando decidiu abrir um negócio próprio. “Estava procurando um modelo de franquia. Ao pesquisar no site da Associação Brasileira de Franchising (ABF), a proposta da Concretta me ganhou por ser uma novidade e pela experiência dos sócios.”

Ao ver a escassez de pessoas capacitadas em sua cidade, decidiu investir. Ele ainda pretende abrir duas escolas no primeiro ano e mais três no segundo ano. “A franquia deve abrir em dezembro e já tenho contrato fechado para aulas in loco com uma grande construtora para uma turma de 120 alunos”, revela.

Concretta em números
Setor: cursos profissionalizantes
Resumo do negócio: Oferta de cursos para o setor de construção civil
Número de unidades: 11
Unidades próprias: 1
Unidades franqueadas: 10
Faturamento mensal médio: R$ 55 mil a R$110 mil
Taxa de franquia: R$ 60 mil
Taxa de propaganda: 2% BR> Taxa de royalties: 8%
Capital para instalação: R$ 150 mil a R$ 250 mil
Capital de giro: R$ 30 mil
Prazo de retorno estimado: 18 a 24 meses
Principais concorrentes: Instituto da Construção e Senac.

Fonte: invertia.terra.com.br