Arquivo mensais:agosto 2012

Ford apresenta novo Cargo para a construção civil

A Ford apresenta o caminhão Novo Cargo 2629 com tração 6×4, especialmente implementado para o setor de construção civil.

O modelo com motor Euro 5 é mostrado na Concrete Show 2012, considerada a maior feira especializada em concreto e construção civil da América Latina. Na exposição, a Ford exibe ainda o Cargo 1933 cabine leito para serviço pesado.

“Nesse evento, a Ford Caminhões traz para um público especializado dois modelos de sua linha que oferecem excelente produtividade quer pelo seu desempenho como pela durabilidade neste tipo de serviço. As grandes obras no País exigem trabalhos ininterruptos com os veículos e o Novo Cargo é qualificado para essas operações da construção civil”, afirma Pedro Aquino, gerente de Marketing da marca.

O Concrete Show é realizado no Centro de Exposições Imigrantes, em São Paulo, até o dia 31 de agosto. O público tem entrada franca com cadastramento prévio pelo site www.concreteshow.com.br.

Novo Cargo 2629 6×4

Veículo de maior aceitação no segmento de betoneiras e construção civil, o novo modelo 6×4 do Cargo se destaca ainda mais pelo excelente desempenho e durabilidade nas aplicações de construção e fora de estrada. Ele traz a tração 6×4, tem peso bruto total de 23.000 kg e capacidade máxima de tração de 42.000 kg.

Seu novo motor Cummins ISB 6.7 Euro 5, de 6 cilindros, com potência de 290 cv e torque de 951 Nm, torna o seu desempenho ainda mais forte e avança na economia. O câmbio tem 10 marchas sincronizadas e o conforto da cabine do Novo Cargo é superior, possibilitando maior eficiência no trabalho de longas horas.

Novo Cargo 1933

O cavalo-mecânico da nova geração Cargo tem peso bruto total de 16.000 kg e capacidade máxima de tração de 45.150 kg. Ele incorpora vários aprimoramentos que aumentam a produtividade da frota com a opção de cabine leito.

O novo motor Cummins Euro 5 ISL 8.9 de 6 cilindros tem 334 cv. O torque de 1.300 Nm chega rápido à força máxima e mantém uma curva de constante. A utilização em situações de rampas é facilitada.  A transmissão sincronizada de 13 marchas facilita o trabalho do motorista, que conta também com banco extra-conforto e uma das maiores camas do mercado.

A nova geração Ford Cargo Euro 5 avança na potência e economia, com a conhecida robustez e confiabilidade que tornaram a linha uma das preferidas no segmento da construção civil. Os veículos trazem um ganho médio de 10 cv e ficaram de 5% a 7% mais econômicos no consumo de combustível, além de reduzir em 80% a emissão de poluentes com a tecnologia de redução catalítica seletiva (SCR).  Outras vantagens são o aumento dos intervalos de troca de óleo e a durabilidade maior dos componentes, com reflexo positivo na vida útil do motor.

Fonte: circuitomt.com.br

Senai inaugura escola da construção civil e realiza workshop internacional em Criciúma

Escola da Construção Civil vai ocupar uma área de 220 metros quadrados e atenderá cerca de 300 a 400 alunos por ano.

O Senai/SC, entidade do Sistema Fiesc, inaugura a Escola da Construção Civil e realiza um workshop internacional sobre materiais, na cidade de Criciúma, nesta quinta-feira (30). Os eventos contarão com a presença do presidente do Sistema Fiesc, Glauco José Côrte, e lideranças empresariais da região, além de especialistas do Brasil, Alemanha e México, que proferem palestra no workshop. A inauguração da escola será às 11 horas, na sede do Senai em Criciúma (rua General Lauro Sodré, 300 – bairro Comerciários). Já o workshop se inicia às 13h30min horas, no Siso´s Hall (rodovia. Otávio Dassoler, 5635 – bairro Imigrantes).

A Escola da Construção Civil vai ocupar uma área de 220 metros quadrados, readequada, e atenderá em torno de 300 a 400 alunos por ano, em cursos de qualificação, de 160 a 300 horas-aula. Os programas atenderão as áreas de eletricidade, hidráulica, gestão (mestre de obras), alvenaria (pedreiro e servente), assentamento cerâmico, carpintaria e pintura.

Esta é a quarta escola fixa da construção civil do Senai/SC – as demais são em Balneário Camboriú, Blumenau e Joinville. Outras três (em Chapecó, Itajaí e Palhoça) estão projetadas, além de quatro unidades móveis que estão operando desde o início de 2013. O diretor do Senai em Criciúma, Sílvio Bittencourt da Silva, salienta a importância do setor na região, lembrando que diversas construtoras de Criciúma estão realizando obras em outras cidades e regiões, incluindo a Grande Florianópolis.

O presidente do Sindicato da Indústria da Construção (Sinduscon) de Criciúma e região, Jair Paulo Savi, destaca que sua entidade apoiará com a identificação e indicação de alunos para a escola, que, segundo ele, beneficiará as empresas e os trabalhadores. “Com funcionários mais especializados, teremos um aumento da produtividade e redução dos desperdícios. As empresas só têm a ganhar e os funcionários também”, afirma. Savi salienta que, na região de abrangência do sindicato que preside (de Lauro Müller a Passo de Torres), existem mais de 300 empresas formalizadas, que geram cinco mil empregos. Mas ele estima que outras cinco mil pessoas atuam informalmente no setor.

Com inscrições gratuitas, o Workshop Internacional de Materiais apresentará as tendências internacionais a partir das pesquisas que estão sendo realizadas na área de materiais para aplicações industriais. Haverá palestras de especialista do Instituto Turíngio de Pesquisa em Têxtil e Plásticos (Titk), da Alemanha, do Centro de Investigação em Química Aplicada (CIQA), do México, da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), da Universidade do Extremo Sul Catarinense (Unesc) e do Senai/SC.

Fonte: adjorisc.com.br

Funcionários da construção civil terão que ser alfabetizados

Um projeto de lei de autoria do deputado Emanuel Pinheiro (PR) propõe que as empresas do setor da construção civil façam adesão ao Programa Estadual de Alfabetização a fim de capacitar seus funcionários.

Na proposta, o governo deve fazer constar em todos os editais de licitação de obras públicas, e em todos os contratos diretos e indiretos realizados com o mesmo fim, promovidos pela administração pública estadual, a cláusula que traga exigência do curso.

O programa consiste em qualificar a mão de obra empregada visando a alfabetização, através de aulas ministradas durante a execução da obra ou serviço, exclusivamente para obras e serviços com duração igual ou superior a um ano. As despesas decorrentes da execução desta lei correrão por conta das dotações orçamentárias próprias.

Emanuel Pinheiro justifica sua iniciativa diante do crescimento do setor da construção civil, que vem aumentando de maneira acelerada tanto em obras públicas, como privadas e de acordo com a Organização Internacional do Trabalho (OIT). Dados da entidade revelam que, 33% dos trabalhadores registrados na construção civil não sabem ler ou escrever e, em geral, desempenham funções auxiliares com pouca ou nenhuma especialização.

O programa consiste em qualificar a mão de obra, visando a alfabetização a partir de aulas ministradas durante a execução dos trabalhos. A norma vale apenas, para o trabalho em construção com duração igual ou superior a um ano, e as aulas seriam realizadas no próprio local da obra, com carga horária de duas horas diárias. “Um dos objetivos desse projeto é mudar uma realidade nos canteiros de obras, onde existem trabalhadores que não sabem ler nem escrever”, afirmou o deputado.

De acordo com o deputado, a proposta consiste ainda em mudar a realidade dos canteiros de obras no estado alfabetizando os trabalhadores como forma de reduzir o analfabetismo e qualificar a mão de obra, em toda e qualquer obra realizada com recursos públicos, ficando as empresas compromissadas à adesão ao programa.

Fonte: odocumento.com.br