Arquivo mensais:maio 2012

Índice de Construção Civil sobe 1,30% em maio, diz FGV

O Índice Nacional da Construção Civil – Mercado (INCC-M) subiu 1,30% em maio, variação acima do mês anterior, de 0,83%, segundo divulgou, nesta segunda-feira, a Fundação Getúlio Vargas (FGV). No ano, o índice acumula variação de 3,63% e em 12 meses, de 7,16%.

No quesito materiais, equipamentos e serviços a variação em maio foi de 0,35%, menor do que a de 0,58% no mês anterior. Dentro desse grupo, o de materiais e equipamentos ficou em 0,35%, ante 0,65% em abril. Também houve decréscimo em materiais para estrutura (0,68% para 0,40%), materiais para instalação (1,00% para 0,35%), materiais para acabamento (0,48% para 0,37%) e equipamentos para transporte de pessoas (0,40% para 0,04%).

Os serviços responderam por 0,37% em maio, na comparação com 0,32% em abril, puxado por serviços pessoais, que passou de 0,38% para 0,73%. Já em mão de obra a taxa foi de 2,22%, ante 1,08% em abril. O maior índice veio do Rio de Janeiro, com 4,75%, seguido por São Paulo, com variação de 3,97% devido a reajustes salariais por data-base. Segundo a FGV, em Porto Alegre o impacto foi decrescente, com a taxa passando de 1,13% para 0,52%. A coleta de preços se deu entre os dias 21 do mês anterior e o dia 20 do mês de referência.

Fonte: noticias.yahoo.com

Construção civil contrata 1,41% a mais em abril e deve crescer mais que o PIB

O setor da construção  civil gerou 46.447 empregos com carteira assinada em abril, segundo pesquisa do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo (Sinduscon) e da Fundação Getulio Vargas (FGV).

O resultado, divulgado nesta quinta (24), mostra crescimento de 1,41% em relação a março. No fim de abril, o setor empregava 3,34 milhões de pessoas em todo país.

“O número indica que a construção segue aquecida, devendo confirmar nossa previsão de que o setor crescerá acima do PIB [Produto Interno Bruto] neste ano”, disse presidente do Sinduscon, Sergio Watanabe.

No primeiro quadrimestre do ano, o setor criou 169.719 postos de trabalho, 5,35% a mais que no mesmo período de 2012. Nos últimos 12 meses terminados em abril, a expansão foi 8,28%. No final de abril, a Região Sudeste concentrava mais da metade (50,5%) dos trabalhadores da construção civil no país, seguida pelas regiões Nordeste (21,4%); Sul (15%); Centro-Oeste (8,1%) e Norte (5%).

A Região Centro-Oeste apresentou, no comparativo mês a mês, o maior crescimento relativo de empregos (3,34%), seguida pelo Sudeste (1,67%), Sul (1,39%) e Nordeste (0,51%). A exceção ficou por conta da Região Norte, que praticamente manteve o nível de emprego (-0,05%).

Fonte: portogente.com.br

Uso de material sustentável em construções é tendência mundial, diz presidente do Sinduscon

Kauffmann informou que o setor privado vai apresentar iniciativas de construção sustentável no Forte de Copacabana.

O presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado do Rio (Sinduscon-RJ), Roberto Kauffmann, disse que a utilização de materiais sustentáveis nas construções é uma tendência mundial.

“Sem dúvida alguma. A tendência mundial e aqui no Brasil seria a utilização de uma série de itens de sustentabilidade, como aquecimento solar e eólico, telhas especiais, uma série de itens que tornam a construção sustentável”, acrescentou, em entrevista à Agência Brasil.

Esse é o objetivo de muitas apresentações que vão ocorrer durante a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, que ocorrerá em junho. Kauffmann informou que o setor privado vai apresentar iniciativas de construção sustentável no Forte de Copacabana, que “estão sendo tomadas e incentivadas pelo estado, pela prefeitura e pelo governo federal”.

As instalações do Forte foram alugadas pelas federações das indústrias dos estados do Rio de Janeiro (Firjan) e de São Paulo (Fiesp), pela Fundação Roberto Marinho e pela prefeitura carioca. Lá ocorrerão vários eventos paralelos à Rio+20.

Um deles, programado para o dia 18 de junho, vai tratar da construção verde. A ideia, disse Kauffmann, é mostrar que o Brasil  “está praticando e pretendendo praticar a construção sustentável. Isso é feito não só para atender à população de baixa renda, mas também à classe média e à alta renda. A gente vai procurar avançar bastante em outros quesitos”.

Kauffmann lembrou que também a Caixa Econômica Federal, principal financiadora do setor da construção,   incentiva que as empresas usem materiais sustentáveis nos empreendimentos, seja para o programa Minha Casa Minha Vida  ou para os financiamentos normais.

“Principalmente na faixa de renda de R$ 1,6 mil, estão sendo seguidos vários quesitos de sustentabilidade. Você tem que ter uma área verde dentro do empreendimento. Isso é importante, além de aquecimento solar”, citou.

Também  as residências de luxo estão em busca da sustentabilidade. O primeiro condomínio da América Latina que recebeu a certificação inglesa Breeam (Building Research Establishment Environmental Assessment Method), criada em 1992,  foi o Movimento Terras, localizado em Petrópolis, na região serrana fluminense.

A certificação Breeam, uma das mais rigorosas em termos de exigências ambientais, já aprovou mais de 110 mil empreendimentos em vários países. As oito casas que integram o condomínio Movimento Terras apresentam inovações sustentáveis, entre elas estrutura metálica com aço reciclado, telhado verde, captação de água da chuva, madeira certificada, conforto ambiental com luz natural e ventilação cruzada e aquecimento solar.

O condomínio recebeu este mês o Greenbest, principal prêmio nacional de iniciativas sustentáveis, promovido pela Greenvana, empresa líder em sustentabilidade para o mercado de consumo no Brasil, na categoria projetos de arquitetura e construção.

Fonte: ultimoinstante.com.br